Resenhas Rápidas 2

Posted: sexta-feira, 21 de agosto de 2009 by Marcelo Augusto in Marcadores: ,
10




Leia Mais


Cada vez mais, estou diminuindo o tempo de uma postagem para outra. Será o ócio ou o insaciavel desejo de escrever? hehehe, bom hoje como não houve nenhum grande abalo no mundo cinematográfico que interessasse o Cinemótica, então vamos seguir com as resenhas rasteiras e diretas! Boa leitura!


1. A Guerra de Hart





Direção: Gregory Hoblit

Sinopse: Perto do final da Segunda Guerra, um oficial americano, Hart (Colin Farrel) é capturado pelos alemães e enviado a um campo de concentração. Lá, ele deve tratar de organizar tanto seus companheiros prisioneiros quanto lidar com os oficiais alemães. Quando dois americanos negros chegam como os primeiros da etnia no campo de concentração, um deles é morto e o outro acusado de matar um oficial branco. Hart, então, deve defendê-lo dessa aparente injusta acusação, o que, obviamente, vai despertar a ira de muitos.

Crítica: Guerra de Hart me surpreendeu. Acho que não é novidade para ninguém o quanto desaprecio o famoso Colin Farrel. Acredito que ele seja um dos piores atores na ativa no cinema americano atual e toda vez que escuto que uma obra tem sua presença, torço forçadamente o nariz. E imaginaria que Hart, o seu personagem no filme, não fosse fugir do mesmismo. Me enganei.

De fato, Farrel não é um bom ator ainda, o que o torna digerível é : sob direção de Hoblit, o filme tem a sua 'arte'. Ou seja, Guerra de Hart apresenta uma história bem elaborada, uma fotografia agradável e um curioso desenrolar de fatos. Com tantos fatores positivos, Farrel apenas não estragou com a obra.



Com a presença de Bruce Willis, o filme se encarrega de levar com seriedade o cenário do momento representado. Além de todo aquele esquema presente em filmes de guerra, ainda esbarramos com um contexto ético e moral dentro do filme.
Confesso que são fracas as suas nuances, mas o filme é interessante e vale a pena ser conferido. No decorrer do filme, se inicia um julgamento com forte cisão racial dentro do campo de concentração. William se mostra bastante preconceituoso e criamos uma certa antipatia pelo sua personagem.

Melhor Momento: A reviravolta do final, onde vemos Hart descobrindo quem é William ( Bruce ) e suas verdadeiras intenções. Essa duplicidade que vemos no final faz valer a pena todo o decorrer do filme e é um recomendável entretenimento.

Nota: 7/10


2. Mundo Proibido





Direção: Ralph Bakshi

Sinopse: Jack Deebs (Gabriel Byrne), um desenhista de história em quadrinhos, é levado pela sexy Holli (Kim Basinger), uma criação sua, a um mundo paralelo no qual os desenhos têm vida própria. Mas o grande sonho de Holli é ter sexo com seu criador, para tornar-se uma humana e poder fugir para o mundo real.

Crítica: Apesar do filme envolver desenhos animados, ele tem temática adulta. O que torna tudo mais interessante ;P Mundo Proibido é uma obra um tanto díficil de engolir, mas se você procurar encarar a obra com a mente descompromissada, o filme é uma perfeita pedida para ocupar o tempo e se divertir.

Devo destacar, as incríveis falas entre Holli e Jack e todo o jogo de sedução que o filme apresenta, mesmo envolvendo um desenho com um humano real. Acredite, o senso do erotismo do filme é grande e se mantem firme, sem cair na vulgaridade e no fetichismo. Além do mais, vale-se enfatizar que a sensual Holli é baseada na linda Kim Basinger, que inclusive aparece no final, quando, como uma reviravolta, Holli sai do mundo dos desenhos e confronta o mundo real.

O que mais devo falar? O filme agrada uma mente com puro desejo de diversão. Não veja esse filme com intuito de ver uma obra impecável, faz favor.

Nota: 6/10

3. A Morte de Shula





Direção: Asaf Korman
Produção: Israelita
Curta-Metragem

Sinopse: Shula, a velha cadela da família, é sacrificada. Yossi, o pai, embarca numa jornada para enterrá-la, amarrando-a ao teto de seu carro, dentro de uma caixa de papelão. A intensidade banal e mundana das forças da vida interrompe o resto do dia de Yossi. O diretor e os membros de sua família fazem os papéis deles mesmos nesta história baseada em fatos reais.

Crítica: Nem me lembro como esbarrei nesse filme, lembro-me apenas que tinha visto o filme em partes, mesmo ele sendo minúsculo ( 25 minutos ). Logo, procurei ele com um amigo meu, que não tinha, mas o providenciou para um fim de semana meu. Morte de Shula é um curta tão simples, tão despreendido de técnica, tão minimalista, perfeito que enche os olhos de qualquer cinéfilo.

Enquanto via a obra, percebi que o curta se trata das puras nuances dos sentimentos, ou seja, lidamos com uma obra tão delicada e tão potente, que em menos de meia hora, realizamos quão frágil um ser humano é, um ser humano que se entrega até mesmo para uma cadela, tão frágil como o humano, mas muito mais amorosa. Vemos ali a entrega de um amor á um animal e a partida da cadelinha (através de um sacríficio ), o filme dispensa falas.

A 'banalidade' [ entenda pelo lado positivo da palavra ] do contexto da obra, revela algo tão mais íntimo, tão intriseco a humanidade, que os 25 minutos gastos para ver o filme, passam literalmente voando.



Nota: 10/10




10 comentários:

  1. O primeiro parece ser muito bom, por tudo ue disserou que, seja por ócio, vontade de escrever ou os dois, o importante é que tens i que dizer. Legal ver em outros posts referências a outros imortais, é isso aí, sem memória nada somos...

    abç
    Pobre esponja

  1. Gil says:

    esse Mundo proibido é igual Uma cilada para Roger Rabbit? Fiquei curioso. É fácilde achar? Nunca tinha ouvido falar desse.

  1. Luís says:

    Não assisti a nenhum dos filmes que você comentou, mas estou disposto a fazê-lo considerando as suas resenhas a respeito deles. Eu não sou muito fã de Colin Farrel também, mas não vejo problemas nas obras em que ele atua - embora agora apenas me lembre de duas delas!

    Tem que assistir a V de Vingança mesmo!! Não se pode deixar passar em branco um filme assim, pois reúne o que há de melhor nos heróis e nas ideologias deles.

  1. Cool World é "Cool"(mais ainda prefiro "Uma Cilada Para Roger Rabbit").
    "A Guerra De Hart" não vi! E a "Morte De Shula" fiquei curioso vou procurar. Ótimas Resenhas, tbm li as anteriores!

    Abraço.

  1. Blog do says:

    Adoro os filmes de Bruce, ele é um grande ator que enriquece qualquer película

    BLOGdoRUBINHO
    www.blogdorubinho.cjb.net
    www.twitter.com/blogdorubinho

  1. Apesar de ir ao cinema com muita frequência, não vi os filmes relacionados no post.

    Vi "Tempos de Paz" ontem, aproveito para sugerir uma resenha desse filme em suas próximas resenhas.

    Seu blog é muito bom.

  1. Olá meu caro.
    Primeiramente obrigado por linkar. Retornar um comentário, é sempre bom. Vi que você tem muuuitos blogs, tem talento :D. Obrigado por visitar-me. Em relaçao ao template, tinha um amigo meu manja muito de web designer, deixei nas mãos dele e ele me arrumou o template, "maaans" não tenho a minima ideia de onde "ele se meteu" ;~~ e do template mais ainda. Se pudesse ajudar vc, tava na mão! Se quizer conversar mais, me passe seu msn!
    Abraços.

  1. Luís says:

    Passa lá no meu Blog e veja a pequena recomendação que fizemos.

  1. falecomarcelo@msn.com
    Apaga quando der.

  1. Fernanda neves says:

    Confesso que a crítica sobre o primeiro filme ofuscou a minha leitura sobre os outros dois. Gostei muito e quero ver com certeza!
    E bom... Bruce Willis é Bruce, com ele poucos filmes não são imperdiveis ou pelo menos interessantes, o que na minha opinião deve ter interferido para que Colin fizesse bonito, mas não vi o filme, então não posso afirmar.
    Tenho a leve impressão de já ter assistido ao Mundo Proibido mas realmente não me lembro, se não foi ele foi algo bem parecido... pra eu não lembrar ou eu não gostei ou minha memória se provou mais uma vez pecadora (o que eu n]ao duvido)...
    E um filme passar tanto em menos de meia hora, confesso que um dia espero vê-lo,mas que não seja dividido em 25 partes... hehehehe
    Mto boas as resenhas!